Misterioso aroma doce se alastra de novo por Manhattan

Moradores dizem que perfume adocicado pode ser sentido em vários bairros.

Da BBC Brasil, BBC

06 Janeiro 2009 | 11h35

O misterioso aroma doce que tomou conta de áreas de Nova York há mais de três anos voltou a se alastrar pela cidade na noite de segunda-feira, informou o jornal americano New York Times.Segundo o jornal, o serviço telefônico de informações da cidade, a linha 311, recebeu vários chamados de nova-iorquinos que diziam estar sentindo um cheiro de maple syrup, um tipo de melado bastante popular nos Estados Unidos, feito a partir da seiva da árvore maple, da família das aceráceas, comum na América do Norte. No Canadá e Estados Unidos, o melado é usada para acompanhar panquecas e waffles.Segundo um porta-voz do Office of Emergency Management, o serviço de emergência de Nova York, a maioria dos chamados - 35 dentro de um período de algumas horas - veio de diferentes bairros de Manhattan.Entretanto, um morador do Queens telefonou para o serviço para dizer que podia sentir o aroma doce na região do East River, disse o porta-voz. Investigadores do departamento de proteção ambiental da cidade saíram à procura da origem do cheiro madrugada adentro, disse um porta-voz do departamento. O inexplicável perfume adocicado já se alastrou por partes de Nova York e Nova Jersey em outras três ocasiões, disse o New York Times.Na primeira vez, no outono de 2005, moradores de várias áreas de Nova York e da vizinha Nova Jersey comentaram sobre o cheiro.Segundo o jornal, há várias teorias para explicar o perfume.Uma delas diz que o cheiro viria de Nova Jersey.Outra sugere que o aroma estaria sendo gerado por uma fábrica de doces em Manhattan.E uma terceira, mais sinistra, é de que o odor estaria associado a um ato de terrorismo.As autoridades concluíram que o cheiro é inofensivo, mas até hoje nunca identificaram sua origem misteriosa.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.