MMX inicia expansão de Serra Azul e investirá R$4,6 bi em 2 anos

A MMX, mineradora do empresário Eike Batista, começou a desembolsar os recursos previstos para a expansão do complexo Serra Azul, em Minas Gerais, projeto orçado em 4,8 bilhões de reais.

SABRINA LORENZI, REUTERS

11 Maio 2012 | 16h40

Munida de licença que faltava para as obras, a companhia já investiu 200 milhões de reais na obra. E o restante, 4,6 bilhões de reais, será investido nos próximos dois anos.

"Começamos as obras agora e são 24 meses de instalação", afirmou o presidente da empresa, Guilherme Escalhão, em entrevista à Reuters nesta sexta-feira.

Do complexo Serra Azul, a MMX planeja extrair 29 milhões de toneladas anuais de minério com operações em plena capacidade - volume maior que os 24 milhões de toneladas previstos inicialmente.

Com o aumento da capacidade de produção do projeto, a MMX elevou também seu Capex, de 4 bilhões de reais para investimentos de 4,8 bilhões de reais, conforme informado ao mercado no final de abril.

A licença ambiental de instalação para o projeto foi obtida ao final de abril.

OPORTUNIDADES

"Ao avançar no conhecimento geológico da mina, no processo de certificação de reservas, na engenharia, identificamos algumas oportunidades de melhoria no projeto e acabamos chegando a um projeto de 29 milhões de toneladas, o que acabou obviamente adicionando equipamentos", explicou.

A MMX pretende desenvolver um sistema de produção capaz de extrair minério com teores baixos de ferro, otimizando o processo com aumento de produção. As reservas de Serra Azul estão estimadas em 1,9 bilhão de toneladas de ferro.

"Hoje o minério processado tem um teor de ferro de cerca de 57, 58 por cento... Essa nova planta vai ser capaz de lidar com minério de 36 por cento de ferro ... É o primeiro ganho ambiental, recupera minérios que em cenário normal não recuperaria, faz aproveitamento maior e recupera mais minério".

A licença ambiental de instalação obtida em abril permitiu o começo das obras de construção do complexo de beneficiamento de Serra Azul, situada na região do Quadrilátero Ferrífero, em Minas Gerais, que fará a produção da MMX mais que triplica -a capacidade instalada atual da MMX é de 8,4 milhões de toneladas anuais.

A companhia encerrou 2011 com produção de 7,5 milhões de toneladas de minério de ferro, considerando os sistemas Sudeste e Corumbá.

O projeto ampliado em Minas, com perspectiva de entrada em operação no primeiro trimestre de 2014, prevê usina terminal ferroviário, um transportador de correia de longa distância, adutoras e estrutura para transmissão de energia.

Além do aumento de capacidade de produção de Serra Azul, o aumento do Capex do projeto de expansão se deve ainda à decisão de ampliar a logística para dar espaço ao transporte do minério da mina Pau de Vinho, localizada ao lado de Serra Azul, e que também será escoada pelo Porto do Sudeste.

O Superporto Sudeste, como é chamado pela empresa, está em fase avançada de construção no município de Itaguaí (RJ). Terá capacidade operacional de 50 milhões de toneladas por ano, na primeira fase, e a MMX já trabalha na expansão para 100 milhões de toneladas numa segunda fase.

Mais conteúdo sobre:
MINERACAOMMXENTREVISTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.