''Modelo assistencial é maior gargalo''

ENTREVISTA[br][br]Fausto Pereira dos Santos, Diretor-presidente da ANS

, O Estado de S.Paulo

21 de abril de 2010 | 00h00

O sr. diz que os planos não deveriam receber tantos subsídios públicos, mas qual foi a atuação política da ANS quanto a isso?

É muito mais minha visão do que é um sistema de saúde e dos vasos comunicantes que existem entre o público e o privado. Esse é um vaso que me parece que gera iniquidade, distorção.

Eu defendo responsabilidades definidas, quem financia o quê. No Brasil, você acaba não tendo essa definição clara e há a renúncia na tributação e o governo provendo planos para os servidores. Mas não há consenso sobre isso no governo.

Qual o principal gargalo do setor de planos?

O principal gargalo é o modelo assistencial. Com o envelhecimento da população e aumento de custo, é preciso buscar qualidade da atenção e resultado.

Manteve plano nesses anos?

Não tinha, depois fui dependente do plano oferecido aos servidores. Não tive problemas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.