Monjas enclausuradas param retiro para saudar novo papa

As monjas concepcionistas franciscanas da Ordem da Imaculada Conceição, que vivem em regime de clausura, no mosteiro de Santa Clara, em Sorocaba (SP), interromperam um retiro de quatro dias para saudar a escolha do Papa Francisco 1º, na tarde desta quarta-feira. Desde domingo, as 12 freiras estavam recolhidas em oração pelos destinos da Igreja Católica. De acordo com a irmã Maria Ângela de Jesus Hóstia, conselheira do mosteiro, assim que a chaminé do Vaticano expeliu a fumaça branca, o telefone reservado das monjas tocou. "Era a senha de que o novo papa tinha sido escolhido. A madre superiora permitiu que fizéssemos uma pausa no retiro para ligar a televisão", contou a monja.

JOSÉ MARIA TOMAZELA, Agência Estado

13 de março de 2013 | 18h25

Mesmo enclausuradas, com o mínimo de contato com o mundo exterior - elas só deixam o mosteiro para tratamento médico - as freiras podem ver canais religiosos na TV e se mantêm informadas sobre as questões da igreja. Desde domingo elas estavam em reclusão para orações, mas acompanhavam o dia a dia do Vaticano. No momento que o papa foi escolhido, a capela ficou vazia. As irmãs correram à frente da TV, que fica no espaço destinado à recreação das internas.

Embora a torcida entre as freiras fosse por um papa brasileiro, a escolha do cardeal argentino Jorge Mário Bergoglio foi recebida com alegria. "Ficamos alegres, porque é nosso vizinho e será um papa muito bom", disse a irmã. "Foi o escolhido de Deus." De acordo com as freiras, o retiro seria retomado no início da noite e vai prosseguir até domingo. "Vamos orar para que Deus ilumine o Papa Francisco 1º, para que conduza a Igreja sempre no melhor caminho", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
papaeleiçãomonjas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.