Monti diz no Twitter que nova lei eleitoral é prioridade para Itália

O primeiro ministro italiano Mario Monti disse neste sábado que se ganhar as eleições parlamentares de fevereiro, um de seus primeiros atos será reformular a lei eleitoral, a fim de melhorar a democracia e a estabilidade do governo.

STEVE SCHERER, Reuters

05 de janeiro de 2013 | 15h57

Monti, de 69 anos, que na semana passada confirmou que iria liderar uma coligação centrista nas eleições de 24 e 25 de fevereiro, chamou a si mesmo de "uma espécie de pioneiro" na política durante quase 2 horas de tweets.

A lei eleitoral é impopular pois permite que somente os líderes partidários selecionem candidatos, impedindo assim que os eleitores escolham seus representantes. Por razões técnicas, ela também torna a formação de uma maioria estável mais difícil, levando a amplas e complexas coalizões.

"Esta lei eleitoral não é digna de um país como a Itália", disse Monti sobre a legislação de 2005, aprovada quando seu adversário de centro-direita, Silvio Berlusconi, estava no poder.

Monti e Berlusconi têm feito diversas aparições públicas, principalmente na TV, buscando apoio e tentando motivar os eleitores que disseram não pretender votar.

Tudo o que sabemos sobre:
ITALIAMONTITWITTER*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.