Moradores cobram rapidez em projeto para reserva da Juréia

A União dos Moradores da Juréia (UMJ) prepara uma manifestação em São Paulo para cobrar rapidez na aprovação do projeto de lei que altera os limites da Estação Ecológica Juréia - Itatins, no litoral sul do Estado. O projeto foi aprovado na última terça-feira pela Comissão de Defesa do Meio Ambiente da Assembléia Legislativa, mas ainda precisa passar pela Comissão de Finanças e Orçamento, antes de entrar na pauta de votação. O presidente da entidade, Arnaldo Neves Júnior, teme que a nova lei não entre em vigor este ano, por causa das eleições e do recesso legislativo. Os moradores vão pedir que a aprovação seja decidida por acordo de lideranças. A manifestação será no próximo dia 27, em frente à Secretaria Estadual do Meio Ambiente. O grupo de moradores apresentará danças típicas da cultura caiçara e distribuirá mudas de palmito.Os representantes serão recebidos pelo secretário José Goldemberg, a quem será entregue uma rabeca, instrumento musical produzido pela Associação de Jovens da Juréia (AJJ). "Estamos esperando há 20 anos para pôr em prática os projetos de desenvolvimento sustentável da região", disse o presidente da UMJ, Arnaldo Neves Júnior. O projeto cria uma nova categoria de unidade de conservação na Juréia - as Reservas de Desenvolvimento Sustentável (RDS) - para possibilitar a permanência de cerca de 20 comunidades tradicionais na região. Foram reclassificadas como RDS as áreas do Despraiado, situada em Iguape, e da Vila do Uma, em Peruíbe, acrescida de parte do mar costeiro e do Rio do Una. A proposta cria ainda o Parque Estadual do Itinguçu, que engloba áreas situadas nos municípios de Peruíbe e Iguape. Também será reclassificada como Parque Estadual do Prelado a área situada junto à praia da Juréia, em Iguape, onde se localiza a Trilha do Telégrafo. O caminho é percorrido pelos romeiros durante a festa do Bom Jesus do Iguape e passará a ser considerado área de interesse especial para fins educativos e culturais. Os bananais do município de Miracatu, na parte norte da reserva, serão excluídos da estação. Em compensação, a área será ampliada com a inclusão dos Banhados de Iguape, passando dos atuais 79 mil hectares para 85,2 mil hectares. Outras duas áreas que não faziam parte da reserva, as ilhas do Abrigo e Guararitama, passam a ser classificadas como Refúgios Estaduais de Vida Silvestre.

Agencia Estado,

06 de julho de 2006 | 17h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.