Morales nacionaliza petroleira Transredes

Empresa transporta gás natural da Bolívia para o Brasil e Argentina.

Mery Vaca, BBC

02 de junho de 2008 | 22h45

O presidente da Bolívia, Evo Morales, nacionalizou as ações da empresa petroleira Transredes, depois de fracassadas as negociações para a compra de parte das ações.A multinacional Shell Gas e a britânica Ashmore detinham 50% das ações da Transrede, que transporta gás natural da Bolívia para o Brasil e a Argentina.O presidente da Bolívia chegou às instalações da empresa em Santa Cruz, nesta segunda-feira, acompanhado de ministros do gabinete e do alto comando militar, para decretar a nacionalização.Segundo o decreto, que implica na compra forçada das ações, o governo vai pagar US$ 48 por cada ação.Na incursão à sede da companhia, o presidente da estatal Yacimentos Petrolíferos Fiscales Bolivianos nomeou o novo presidente da Transredes e o governo garantiu a estabilidade dos funcionários.No discurso de nacionalização, Morales acusou a empresa de ter se envolvido em atividades políticas contrárias ao governo."Não aceitamos autoridades ou gerentes, ou empresas que venham a conspirar contra a democracia ou contra o governo nacional. Que venham para trabalhar e não para conspirar", disse ele.PrazoA estatização da Transredes faz parte de um pacote de nacionalizações decretado no dia 1º de maio deste ano.Na ocasião, o governo chegou a um acordo com a empresa Andina, da hispano-argentina Repsol, e deu prazo para que as empresas Chaco, CLHB e Transredes repassassem suas ações até o dia 30 de maio.O ministro dos Hidrocarburos, Carlos Villegas, explicou que o Estado já detinha 37% das ações da Transredes e aumentou sua participação para 47%, depois de comprar as ações de sócios minoritários. O ministro explicou que a Shell estava disposta a chegar a um acordo, mas isso não foi possível por conta da oposição da Ashmore.A oposição não vê com bons olhos a nacionalização. O deputado do partido Podemos Fernando Messmer disse que "a tomada física feita pelo governo não pode trazer nada de bom ao país, a não ser acrescentar a incerteza e as dúvidas a respeito da segurança jurídica existente".Morales assegurou que o processo de nacionalização do setor continuará até que o governo recupere os recursos naturais que ainda permanecem nas mãos de empresas privadas.Mas o presidente reconheceu que as empresas petroleiras não estão investindo no país e exigiu às companhias que cumpram seus compromissos.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.