Morre Adrielly, menina que esperou 8 horas por operação

A menina Adrielly dos Santos Vieira, de 10 anos, atingida na cabeça por uma bala perdida por volta de 0h15 do dia 25 de dezembro, no bairro de Piedade, na zona norte do Rio, e operada apenas oito horas depois, por falta de médico neurocirurgião no Hospital Municipal Salgado Filho, no Meier (zona norte), morreu na tarde desta sexta-feira. Ela estava internada no Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro, para onde foi transferida no dia 27. No dia 30 ela teve morte cerebral, mas o coração continuou batendo.

FÁBIO GRELLET, Agência Estado

04 de janeiro de 2013 | 17h41

Adrielly foi atingida por um tiro quando brincava na porta de casa com a boneca que havia acabado de ganhar no Natal. A polícia investiga a origem do disparo, que pode ter partido de traficantes da Favela Urubuzinho, que, segundo testemunhas, comemoravam o Natal com disparos para o alto. Adrielly mora com a família em uma casa entre as Favelas Urubu e Urubuzinho.

A menina chegou ao hospital à 0h30, mas não havia neurocirurgião de plantão. O médico escalado para o plantão noturno de Natal do Hospital Salgado Filho era Adão Orlando Crespo Gonçalves. Mas ele faltou ao plantão. Em depoimento à polícia, ele afirmou que faltava aos plantões há mais de um mês por discordar das condições de trabalho no hospital. Alegou ainda que uma resolução do Conselho Regional de Medicina determina que cada plantão tenha pelo menos dois médicos neurocirurgiões.

Crespo seria o único na especialidade a trabalhar na noite do dia 25 de dezembro.

Segundo o médico, a determinação do Conselho não era cumprida no Salgado Filho, para onde a menina Adrielly foi levada. Em depoimento à Polícia Civil, o médico disse ter comunicado sua decisão de não trabalhar no plantão ao chefe do setor de neurocirurgia do hospital. Crespo foi afastado da função.

Mais conteúdo sobre:
morteRJAdrielly

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.