Morre Alex, papagaio que revolucionou os estudos da mente

O papagaio aprendeu inglês suficiente para identificar 50 objetos, sete cores e cinco formas

Associated Press,

11 de setembro de 2007 | 14h08

Um papagaio capaz de contar até seis, identificar cores e até mesmo expressar frustração com testes científicos repetidos morreu depois de 30 anos ajudando pesquisadores a compreender melhor o cérebro das aves. A morte de Alex, um papagaio africano, deixou os cientistas da Universidade Brandeis com a sensação de ter perdido um colega.   "É devastador perder um indivíduo com quem se tem trabalhado quase que diariamente por 30 anos", disse a cientista Irene Pepperberg ao jornal Boston Globe. "Tinha gente trabalhando com ele de 8 a 12 horas a cada dia de sua vida".   Os talentos de Alex para lidar com linguagem e reconhecimento revolucionaram a compreensão do cérebro das aves. Depois de ser comprado por Peppergerg em 1973, o papagaio aprendeu inglês suficiente para identificar 50 objetos, sete cores e cinco formas. Ele era capaz de contar até seis, usar o zero, exprimir desejos.   Ele também ajudava a outros papagaios do laboratório a falar melhor quando gaguejavam, mas não está claro se, nesse caso, não estaria apenas imitando os cientistas.   Pepperberg disse que Alex ainda não havia desenvolvido sua inteligência completamente, e que estava começando a juntar pedaços de palavras para criar palavras novas. No mês passado, disse "sete" pela primeira vez.   A causa da morte de Alex ainda é desconhecida - essa espécie de papagaio tem uma vida média de 50 anos, disse a pesquisadora. Ela explica que Alex foi encontrado morto na gaiola na sexta-feira, mas que o laboratório adiou o anúncio para que os cientistas superassem o choque.   Pepperberg disse ter visto Alex pela última vez na quinta-feira, quando realizou a rotina de boa-noite com o pássaro, avisando-o de que era hora de ir para a gaiola. Ela disse: "Seja bom, amo você.  Vejo você amanhã". Alex respondeu: "Você estará no amanhã".

Tudo o que sabemos sobre:
alexpapagaiocérebromente

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.