Morre aos 83 anos o astro da série de TV 'Columbo'

Vencedor de cinco prêmios Emmy, o americano também recebeu duas indicações para o Oscar

Nyt e Reuters, O Estado de S.Paulo

25 Junho 2011 | 00h00

Peter Falk, ator americano mais conhecido pelo papel principal na série de TV Columbo, morreu na quinta-feira em sua casa em Beverly Hills, aos 83 anos. Falk sofria da doença de Alzheimer, e sua morte foi informada à imprensa apenas ontem, por um advogado da família. Ele deixa mulher e duas filhas.

Por seu trabalho na série policial - que estreou em 1971, foi interrompida em 1978, retornou em 1989 e teve novos episódios exibidos esporadicamente até 2003 -, o ator ganhou quatro dos seus cinco prêmios Emmy. O primeiro ele venceu em 1962, interpretando um caminhoneiro em um episódio de The Dick Powell Show.

Ele também foi indicado duas vezes ao Oscar por papéis secundários nos filmes Murder, Inc. (1960), de Burt Balaban e Stuart Rosenberg, e Dama por um Dia (1961), o último longa-metragem de Frank Capra.

Nascido em Nova York e filho de um comerciante, Falk teve seu olho direito retirado aos 3 anos, por causa de um tumor, e substituído por uma prótese de vidro - que mais tarde o impediria de lutar na 2.ª Guerra. Aos 12, estreou no teatro e se apaixonou pela profissão de ator.

Estreou na Broadway em 1956, onde o sucesso o catapultou para Hollywood. Mas, como a deficiência física chamava muita atenção na tela grande, ficou restrito a papéis menores - em geral em papéis cômicos, em filmes como Deu a Louca no Mundo (1963), de Stanley Kramer, e A Corrida do Século (1965), de Blake Edwards, ou de gângster -, até que se tornasse uma estrela na TV.

Mas Falk não foi o primeiro ator a interpretar o tenente Columbo nem era a primeira escolha da rede NBC para o papel, que encarnou pela primeira vez em um telefilme que precedeu a série, em 1968. Inicialmente, os produtores queriam o veterano ator e cantor Bing Crosby, então com 67 anos, que recusou para não faltar a um jogo de golfe que tinha agendado.

"Perguntaram para mim milhares de vezes sobre o quanto de Columbo há em mim e vice-versa", escreveu o ator em seu livro de memórias Just One More Thing ("Só mais uma coisa", em tradução livre) - título que faz referência a seu bordão na série, dito sempre antes de anunciar o culpado. "Eu dizia que era tão desajeitado quanto Columbo, mas não tão esperto. Mas isso era uma resposta padrão. Na verdade, ninguém é como Columbo."

Entre seus trabalhos mais importantes estão os dois filmes que fez sob a batuta de seu amigo John Cassavetes, Os Maridos (1970) e Uma Mulher sob Influência (1974). Este último, em especial, deu uma melhor amostra da extensão do talento de Falk, como o marido que abusa da mulher com problemas psicológicos, vivida por Gena Rowlands. Ele também atuou como uma versão fictícia de si em Asas do Desejo (1987), de Win Wenders.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.