Morre autor sul-africano antiapartheid Andre Brink, aos 79 anos

O escritor sul-africano antiapartheid Andre Brink morreu na sexta-feira, aos 79 anos, vítima de um coágulo sanguíneo, durante um voo para a Cidade do Cabo de uma universidade belga onde recebeu um doutorado honorário, informou a imprensa local.

REUTERS

07 Fevereiro 2015 | 14h50

Brink, que escreveu em inglês e africânder, era um líder dos Sestigers, grupo de escritores influentes dos anos 1960 que eram contra o regime do apartheid.

O romance de 1973 de Brink "Kennis van die aand" foi o primeiro livro escrito em africânder a ser banido pela minoria branca que governava a África do Sul. Foi posteriormente publicado em inglês ao redor do mundo com o título "Lookin on Darkness" (Olhando a escuridão).

"A Dry White Season" (Uma temporada seca e branca, 1979), talvez o romance mais famoso de Brink, era focado na morte de um ativista negro na prisão e foi posteriormente adaptado em um filme de Hollywood no qual estrelaram Marlon Brando e Donald Sutherland.

"É com grande tristeza que perdemos uma das nossas mais brilhantes estrelas literárias", disse Etienne Bloemhof, um dos editores de Brink, à rádio 702 Talk Radio.

A coleção de 1998 de Brink sobre a política da África do Sul, "Reinventing a Continent", tinha um prefácio do herói antiapartheid Nelson Mandela, que se tornou o primeiro presidente negro da África do Sul depois do fim do regime da minoria branca em 1994.

Seu último romance "Philida", uma história sobre a escravidão na África do Sul em 1830, foi listado para o prêmio Man Booker.

Brink, que também era um dramaturgo e acadêmico, era professor de inglês na Universidade da Cidade do Cabo.

(Reportagem de Joe Brock)

Mais conteúdo sobre:
AFRICADOSUL BRINK MORRE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.