Morre bispo polêmico

Ele ficou conhecido ao fazer campanha contra o PT, em 2010, por causa da descriminalização do aborto

JOSÉ MARIA MAYRINK, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2012 | 03h04

Memória

O bispo emérito (aposentado) de Guarulhos, d. Luiz Gonzaga Bergonzini, que se projetou na campanha presidencial de 2010, ao pregar o voto contra a presidente Dilma Rousseff e os candidatos do PT, sob alegação de que são favoráveis à descriminalização do aborto, morreu ontem aos 76 anos, de falência múltipla dos órgãos, após 21 dias de internação na UTI do Hospital Stella Maris.

A pregação de d. Bergonzini alcançou repercussão nacional e internacional. O partido chegou a temer que a campanha do bispo influenciasse o resultado da eleição, com a invasão do debate religioso no palanque.

"Iniciei uma campanha contra os candidatos favoráveis ao aborto de todos os partidos, a qualquer cargo", escreveu d. Bergonzini em carta aos bispos brasileiros. Ele também combatia a união de homossexuais e defendeu o afastamento de professores da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo com ideias contrárias à doutrina da Igreja.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.