Morre Randy Pausch, autor da 'última aula' no YouTube

Na aula, Pausch fala de viver a vida que sempre sonhou, ao invés se concentrar em impedir a morte

AP

25 Julho 2008 | 17h50

Randy Pausch, um professor de ciências da computação cuja "última aula" sobre enfrentar câncer terminal se tornou uma sensação na internet e um dos livros mais vendidos, morreu nesta sexta-feira, 25, com 47 anos.     Pausch morreu em sua casa em Chesapeake, Virginia, disse Jeffrey Zaslow, do Wall Street Journal, co-autor do livro do professor.   Pausch teve câncer pancreático incurável diagnosticado em setembro de 2006. Sua popular última aula na Universidade Carnegie Mellon, em setembro de 2007, ganhou atenção internacional e foi vista por milhões de pessoas no YouTube.   Nela, Pausch fala de viver a vida que sempre sonhou, ao invés de passar seu tempo concentrado em impedir a morte.   "Dei a aula para meus filhos, mas se outros encontraram valor nela, isso é maravilhoso", escreveu o professor em seu site.   O livro A lição final (que saiu no Brasil pela Ediouro) ficou no topo dos mais vendidos na categoria de não-ficção desde sua publicação, em abril. O livro deve valer mais de US$ 6 milhões.   Pausch disse que ditou o livro para Zaslow por telefone e Zaslow lembrou, nesta sexta-feira, que ele foi "forte e engraçado" durante a colaboração.   "Foram os 53 dias mais divertidos da minha vida, porque era como uma performance", disse o colaborador. Ele lembrou que Pausch ficou emotivo quando trabalharam no último capítulo, porque para ele era "o fim da aula, do livro, de sua vida."   Em Carnegie Mellon, Pausch era professor de ciências da computação, interação homem-máquina e design, e era reconhecido com um pioneiro da pesquisa em realidade virtual. Ele era conhecido no campus por suas performances como professor.   Seu último discurso era parte de uma série da universidade chamada "a última aula", onde pedia-se que professores pensassem sobre o que mais importa para eles e dessem uma aula final hipotética. O nome da série de aulas foi mudado para "jornadas" antes da fala de Pausch, algo que ele ironizou em sua palestra. "Eu pensei, Eu finalmente peguei o nome e eles mudaram", disse.   Ele contou a um auditório lotado a maior parte de seus sonhos de infância - estar em gravidade zero, escrever um artigo na World Book Encyclopedia e trabalhar com Walt Disney.   "Eu não sei como não me divertir", disse. "Estou morrendo de vontade de me divertir. E vou continuar me divertindo todos os dias que tiver até o fim. Porque não há outra maneira de fazer as coisas."   Nascido em 1960, Pausch se formou em ciências da computação na Universidade Brown e seu Ph.D em Carnegie Mellon.   Ele deixou seu mulher, Jai, e seus três filhos, Dylan, Logan and Chloe; sua mãe e sua irmã.   Sua esposa agradeceu as mensagens de apoio nesta sexta-feira, 25, e ficou orgulhosa que a aula e o livro de seu marido "tenham inspirado a revisão das prioridades de pais, principalmente em seu relacionamento com seus filhos."

Mais conteúdo sobre:
saúdetecnologia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.