Morte de líder é golpe à moral das Farc, diz governo

Vice-ministro disse ao 'La Nación' que golpe é maior que a morte de Raul Reyes.

Da BBC Brasil, BBC

25 de maio de 2008 | 07h10

A suposta morte do líder das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), Manuel Marulanda, o "Tirofijo" , divulgada pelo governo colombiano, é um golpe à moral da guerrilha, disse o vice-ministro da Defesa ao jornal La Nación. Em entrevista ao diário argentino publicada neste domingo, Sergio Jaramillo voltou a confirmar que Marulanda estaria de fato morto e definiu sua morte como um golpe ainda mais duro do que a recente morte de Raúl Reyes, considerado o número dois do grupo rebelde.Jaramillo citou ainda um encontro que teve com a guerrilheira Karina, uma das principais comandantes das Farc, que se entregou à polícia no último domingo. Segundo o vice-ministro, ela teria feito uma análise de 24 anos dentro da guerrilha e afirmou que "ao invés de ir para frente, as Farc estão acabadas". "A figura de Marulanda conferia uma coerência ao grupo. Até agora", afirmou Jaramillo ao La Nación. Questionado sobre o futuro da guerrilha, o vice-ministro afirmou que será difícil que os comandantes selecionem um novo líder. Segundo ele, "com tudo o que já aconteceu com o grupo e com os membros mais importantes fora do jogo, a maioria dos membros do Secretariado está mais preocupada com sua segurança do que qualquer outra coisa", concluiu. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.