Morte de policiais em La Plata vira tema eleitoral na Argentina

Para Kirchner, crime 'não foi casualidade, a tão poucos dias das eleições'; falta de segurança entre na pauta

Marcia Carmo, BBC

20 de outubro de 2007 | 03h15

A morte de três policiais, na sexta-feira, 19, agitou a campanha eleitoral e comove a Argentina, a nove dias das eleições presidenciais.  Veja Também:Especial: eleições na Argentina Os policiais - um sargento e dois oficiais - foram mortos a tiros e punhaladas, no prédio da central de comunicações da Secretaria de Segurança da província de Buenos Aires.  O prédio está numa área afastada do centro de La Plata, capital da província, que fica a cerca de uma hora e meia da capital do país, Buenos Aires. O caso, como informaram os jornais La Nación e Ambito Financiero, em suas edições online, provocou "comoção política".  "Comoção política pelo assassinato dos três policiais", escreveram. O governo da província de Buenos Aires informou que não houve roubo, o que, de acordo com o Canal 13, contribui para a tese da conspiração. Esta província é a maior do país, representando cerca de 40% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional e aproximadamente 40% do eleitorado argentino.  Voz rouca, o presidente argentino Néstor Kirchner reagiu vinculando as mortes ao pleito, que será realizado domingo próximo, dia 28. "Isso não foi casualidade, a tão poucos dias das eleições", disse, diante das câmeras de televisão. "Pode ter a ver com ajuste de contas ou com os processos que estamos levando adiante contra os crimes da ditadura".  Kirchner acrescentou: "Isso me comoveu profundamente".  A primeira-dama e candidata à sucessão, senadora Cristina Fernández de Kirchner, da Frente para a Vitória, também comentou a morte dos três policiais. "Não vão conseguir que a gente desista", declarou, num palanque de campanha.  A presidenciável da oposição Elisa Carrió, da Coalizão Cívica, chamou as mortes de "fato brutal".  Ultraje  O também candidato Ricardo López Murphy, da chapa Recrear-PRO, disse: "É muito grave que o presidente Kirchner tenha tentado vincular esse caso grave à oposição do país".  Kirchner afirmou que pesquisadores de opinião foram ameaçados de morte e responsabilizou a "impotência" de alguns opositores que não vão bem nos levantamentos de opinião, como reproduziu o Ambito Financeiro.  Para o analista político Eduardo Van der Kooy, do jornal Clarín, os três crimes incluiram, na campanha, a preocupação da sociedade argentina com a insegurança pública. "Até aqui o principal assunto era a inflação, mas agora também é a insegurança", disse.  Os policiais mortos são Ricardo Torres Barbosa, de 26 anos, Alejandro Ruben Vatalaro, de 27 anos, e Pedro Germán Díaz, de 45 anos.     BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC

Tudo o que sabemos sobre:
Argentinaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.