Mortes violentas crescem 1,3% no Brasil

O número de mortes violentas registradas em cartórios cresceu 1,3% em 2011 em relação a 2010, apontou o IBGE. Em 2011, os cartórios registraram 111.546 mortes por causa externa violenta (acidente, suicídio ou homicídio).

RIO , O Estado de S.Paulo

18 Dezembro 2012 | 02h02

Os aumentos ocorreram no Centro-Oeste (6,9%) e Nordeste (5,5%), com reduções no Norte (-5,5%), Sul (-1,7%) e Sudeste (-0,3%). Especialistas advertiram que o aumento dos óbitos por causa ignorada pode ocultar homicídios, o que poria em dúvida a extensão da suposta redução do número de assassinatos alardeadas por governos.

"As mortes por causas externas são no Brasil o terceiro principal grupo de causas de óbitos na população em geral e a primeira entre os jovens de 15 a 24 anos", diz o trabalho. "A proporção chega a 75,4% em Alagoas, no caso dos homens. É um fenômeno que abrange todos os Estados."

Os pesquisadores apontaram queda no porcentual de mortes não registradas - de 16,3%, em 2001, para 6,2% em 2011. A tendência de redução ocorreu em todas as regiões, mas Norte e Nordeste, que partiram de proporções altas (respectivamente 38,7% e 30%), ainda tinham 20,6% no ano passado. Uma em cada cinco mortes não era notificada. Para o gerente da pesquisa, Claudio Crespo, a maioria é de mortes de crianças com até 4 anos. "Essas pessoas não deixam direitos futuros, como ocorre com adultos, que às vezes legam pensões", explicou.

O número de mortes por causa ignorada aumentou, em 2011, 38,1% em relação a 2010. Todas as regiões registraram crescimento. "A questão envolve a qualidade da informação registrada nos cartórios", disse Crespo.

O IBGE também concluiu que continua a cair o porcentual de registros de nascimento extemporâneos, ou seja, aqueles que não são feitos no ano em que ocorreram. Em 2011, foram 202.636 crianças registradas nessas condições - 6,7% do total, ante 7,1% em 2010. E, em 2011, 68,3% das mortes de crianças de até 1 ano foram do tipo neonatal precoce (zero a seis dias - 51,8%) e neonatal tardio (7 a 27 dias - 16,5%). / W.T.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.