Motoristas de aplicativos vão para Reduc apoiar caminhoneiros

Cerca de 300 motoristas particulares de aplicativos de transporte estão indo na manhã deste sábado para a Refinaria Duque de Caxias (Reduc), na Baixada Fluminense, se juntar aos caminhoneiros

Roberta Pennafort / RIO, O Estado de São Paulo

26 Maio 2018 | 12h03

Em greve, os caminhoneiros estão na Reduc desde a madrugada do domingo, 20. Os motoristas de aplicativos demonstraram apoio na quinta-feira na refinaria, e estão voltando neste sábado. "A luta deles é a nossa, é a de todos os brasileiros. A gente passa pelos mesmos problemas, o aumento dos combustíveis, a falta de segurança. A diferença é que eles transportam cargas, e nós, pessoas", justificou Dênis Moura, presidente da associação de motoristas, criada em 2015.

Ele disse que parte dos veículos usa gás natural e não foi afetada pelo aumento do combustível; parte, gasolina ou álcool. O gás natural também aumentou. "No início do mês, estava R$ 2,09; agora custa R$ 2,79. A gente enche o tanque duas vezes por dia para rodar 300 km, o impacto é muito grande", afirmou Moura.

A população doou comida a caminhoneiros que estão na porta da Reduc, contou neste sábado Francisco Silva, representante do movimento dos caminhoneiros. Ele disse que há 400 pessoas na porta da Reduc no momento, entre profissionais e populares. 

"Levaram cachorro-quente, água, biscoito. As pizzarias da região doaram pizzas. Foi a madrugada toda. A população está solidária porque não aguenta mais esses desmandos do governo. A gente não contava com essa adesão. Mas a greve não é dos sindicatos, é de todo mundo. A gente vai continuar a nossa luta. Saquearam a Petrobras, a população não quer pagar a conta", disse Silva.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.