Motoristas e cobradores fazem greve no AM por reajuste

Pelo menos 600 ônibus pararam o centro de Manaus na tarde de hoje, em greve anunciada há uma semana. Os rodoviários reivindicam reajuste salarial de 10% a motoristas e cobradores ao Sindicato das Empresas de Transportes Urbanos de Manaus (Sinetram). Segundo a assessoria da Polícia Militar, pelo menos quatro ônibus foram parcialmente destruído por passageiros revoltados com a paralisação.

LIEGE ALBUQUERQUE, Agência Estado

30 de abril de 2010 | 19h07

Ontem, uma decisão da Justiça em favor do Sinetram determinou que os rodoviários tinham de obedecer a um prazo mínimo de 72 horas para deflagrar greve, que havia sido anunciada para as 4h de hoje. A greve só podia começar às 14h42. Segundo o Sindicato dos Rodoviários, foi neste horário que começou a paralisação dos ônibus nos terminais e ruas da capital do Amazonas.

"Os empresários alegam que não podem pagar o reajuste porque foram obrigados a reduzir a tarifa. Então que a prefeitura pague o ônus", disse o presidente do Sindicato dos Rodoviários, Josivaldo Oliveira. Há dois meses, o prefeito de Manaus, Amazonino Mendes (PTB), reduziu de R$ 2,25 para R$ 2,10 a tarifa dos ônibus afirmando ter feito um "acordo" com os empresários da categoria.

Agora, pressionados pelos trabalhadores, o Sinetram alega não ter como pagar o reajuste salarial por estar sem caixa por conta da diminuição da tarifa. A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa do Instituto Municipal de Transportes Urbanos (IMTT) e do Sinetram, mas não obteve resposta.

Tudo o que sabemos sobre:
ônibusgrevereajusteManaus

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.