Movimento quer negociar tarifa com a Prefeitura de SP

Pela primeira vez desde que começaram os protestos contra a alta na tarifa de transportes públicos em São Paulo, o Movimento Passe Livre (MPL), líder das manifestações, acenou com a possibilidade de negociar as propostas com a Prefeitura. O grupo protocolou nesta terça-feira um pedido de reunião com a prefeita em exercício, Nádia Campeão (PC do B), para discutir a redução do valor da tarifa. Mas não foi atendido. O encontro, se ocorrer, deverá ter a presença do prefeito Fernando Haddad (PT).

BRUNO PAES MANSO, Agência Estado

12 de junho de 2013 | 07h49

Eles reivindicam que a passagem, que aumentou para R$ 3,20 no dia 2, volte para R$ 3,00. "Queremos discutir uma pauta única: a redução da tarifa. Não aceitamos nada menos do que isso", diz Marcelo Hotimsky, de 19 anos, estudante de Filosofia da Universidade de São Paulo e porta-voz do MPL.

O movimento protocolou pedido de reunião. A Prefeitura confirmou, mas até a noite desta terça-feira não havia nada agendado. O mais provável é que a reunião seja feita quando o Haddad voltar de Paris, entre quinta, 13, e sexta-feira, 14. O Ministério Público vai promover um encontro nesta quarta-feira, 12, à tarde entre os representantes do movimento e das Secretarias Estadual e Municipal de Transportes. O secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, deverá participar. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
tarifasprotestosMovimento Passe Livre

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.