MP apura furto de cavalos do casal Hernandes

Animais sumidos estão avaliados em até R$ 300 mil cada um; bens do casal estão bloqueados pela Justiça

Adriana Carranca, de O Estado de S. Paulo,

21 Janeiro 2009 | 07h49

O Ministério Público de São Paulo (MP) investiga o misterioso sumiço de cavalos do Haras Reobot, no interior paulista, de propriedade do casal Estevam e Sonia Hernandes, fundadores e líderes da Igreja Cristã Apostólica Renascer em Cristo. Eles chegaram a ter quase 300 animais, arrematados em leilões por até R$ 300 mil cada um. Segundo o MP, eles estão desaparecendo um a um.  Veja também:Renascer tem que entregar plano de demolição nesta quartaIgreja Renascer divulga lista das vítimas do desabamento Galeria de fotos: imagens do local e do resgate às vítimas  Todas as notícias sobre o desabamento na Igreja Renascer      O haras, assim como todos os bens do casal, avaliados em R$ 20 milhões, está bloqueado pela Justiça. O Grupo de Atuação Especial de Repressão à Formação de Cartel e à Lavagem de Dinheiro e de Recuperação de Ativos (Gedec) solicitou a venda antecipada dos bens imóveis, mas o pedido foi negado no dia 14.  No entendimento dos promotores, os bens imóveis, que estão em nome de familiares do casal Hernandes, estão sendo mantidos por dinheiro cuja origem não é justificada. Os promotores usaram o sumiço dos cavalos para fundamentar o pedido de venda dos imóveis ao juiz da 1ª Vara Criminal da capital, onde Estevam, Sonia os filhos Daniel Felipe e Fernanda e seu marido Douglas Adriano Rasmussen respondem a processo por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. "Os animais do Haras Reobot estão desaparecendo do estabelecimento sob a alegação de furto, o que será apurado", informou o MP.  Audiência Felipe, Fernanda e Douglas serão ouvidos em audiência marcada para o dia 2 de abril. Estevam e Sonia estão liberados por não terem permissão de deixar os Estados Unidos, onde cumprem pena por contrabando e conspiração. O casal deve voltar ao Brasil em junho, quando termina o período de liberdade condicional. Eles foram presos em janeiro de 2007 no Aeroporto de Miami ao tentar entrar no país com US$ 56.467 escondidos em uma Bíblia, em CDs gospel e em duas bolsas, embora tivessem declarado à alfândega americana não portar mais do que US$ 10 mil cada um. Passaram 140 dias em uma cadeia americana, cinco meses em prisão domiciliar, além de pagar multa de US$ 30 mil cada um. O patrimônio do casal inclui uma mansão em Boca Raton, na Flórida (EUA) - avaliada em US$ 465 mil - e uma fazenda de 45 hectares em Mairinque, a 70 km da capital, comprada por R$ 1,8 milhão. Fundada em 1986, a Renascer tem 1,5 mil templos, redes de rádio e TV, uma gravadora, uma editora e filiais em países como Argentina, Uruguai, EUA e Japão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.