MP fecha casas de prostituição e prende 12 em Maceió

Doze pessoas foram presas e nove casas de prostituição e um motel foram fechados na madrugada de hoje durante uma operação do Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc), em Maceió, Alagoas. A operação teve como objetivo combater a exploração sexual de crianças e adolescentes em Maceió. Segundo o Ministério Público Estadual (MPE), as casas funcionavam como prostíbulos, fornecendo mulheres em um "book" disponibilizado aos clientes na portaria.

SOLANGE SPIGLIATTI, Agencia Estado

09 de maio de 2009 | 15h54

Além das prisões, foram encontrados nos locais muita sujeira, péssima iluminação e abastecimento de água, além de forte mau cheiro. Os doze presos foram levados para delegacias de plantão. Também foram conduzidas dezenas de testemunhas, entre jovens e clientes.

De acordo com o MPE, há indícios de que exista uma organização criminosa que opera em Alagoas com o tráfico de mulheres. Elas são contratadas em cidades do interior de outros Estados com a promessa de emprego. No interior de uma das suítes do motel, uma menor portadora de distúrbios mentais estava sendo abusada sexualmente. Ela receberia em troca R$ 5.

A iniciativa faz parte da programação realizada pelo Ministério Público Estadual para marcar a passagem do dia 18 de maio, Dia Nacional de Combate à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.

Tudo o que sabemos sobre:
prostituiçãoMPEMaceió

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.