MP investiga fraude em locação de banheiros químicos

Operação foi realizada nesta segunda-feira, 19, em cidades do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina

Elder Ogliari, Agência Estado

19 Março 2012 | 11h55

PORTO ALEGRE - Os Ministérios Públicos do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina e os Ministérios Públicos de Contas dos dois Estados deflagraram uma operação de combate a fraudes em locações de banheiros químicos que teriam causado prejuízos de cerca de R$ 15 milhões aos contratantes, nesta segunda-feira, 19.

Durante o dia foram cumpridos mandados de busca e apreensão em Caxias do Sul, Canoas e Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, Palhoça e Criciúma, em Santa Catarina. Também foram instauradas inspeções extraordinárias e auditorias em diversas prefeituras e órgãos públicos.

Segundo nota distribuída pelo Ministério Público do Rio Grande do Sul, a fraude consiste na apresentação de propostas como sendo de diferentes empresas, quando, na verdade, todas as concorrentes pertencem ao mesmo grupo ou estão acordadas entre si para determinarem os vencedores. Nas cidades onde ocorriam as fraudes, cada banheiro químico chegava a ser alugado por R$ 55 por dia, enquanto em locais nos quais o cartel não operava o preço não passava de R$ 25.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.