MP investiga túnel do Metrô, após 11 feridos em tumulto

Passageiros do Metrô de São Paulo enfrentaram instantes de pânico na manhã de sexta-feira (11), durante um tumulto no túnel de integração entre as Estações Consolação e Paulista, ambas lotadas. Na confusão, pessoas acabaram pisoteadas: 11 usuários precisaram ser levados para prontos-socorros da região, com ferimentos leves. O episódio levou o Ministério Público Estadual (MPE) a abrir inquérito para investigar a segurança da passagem subterrânea, aberta em 2010.

AE, Agência Estado

12 de janeiro de 2013 | 08h17

As versões divergem sobre o que provocou a correria, por volta das 7h45. A estrutura integra as Linhas 2-Verde e 4-Amarela. Alguns relatos indicam que uma pessoa gritou que outra estava armada, alarmando os passageiros. Outros dizem que uma idosa caiu em uma das esteiras rolantes do corredor, que tem 195 metros de extensão e somente 8 de largura, causando alvoroço no local. A veracidade dessas hipóteses não foi confirmada.

"Estou convocando a direção do Metrô e da ViaQuatro (responsável pela Linha 4-Amarela) para prestar esclarecimentos sobre essa ocorrência. Também vou determinar uma perícia quanto à capacidade de suporte dessas instalações", disse o promotor de Habitação e Urbanismo Maurício Ribeiro Lopes, que instaurou o inquérito sobre o túnel por onde circulavam 98 mil pessoas por dia no fim de 2011, em média.

O Metrô não divulgou quantos passageiros usam o túnel hoje em dia. A empresa, do governo do Estado, também não disse se ainda estuda criar, como no passado, alternativa ao corredor, com mais saídas para a Paulista. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
investigaçãoMPmetrô

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.