MP requisita laudos sobre mortandade no Piracicaba

O Ministério Público Estadual quer saber as causas da mortandade de peixes ocorrida nos últimos dias no Rio Piracicaba, no trecho urbano da cidade de Piracicaba, interior paulista. O promotor Ivan Carneiro Castanheiro, do Grupo de Atuação Especial de Defesa do Meio Ambiente (Gaema) do MPE de Piracicaba requisitou nesta quinta-feira, 13, da Agência Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb) os exames laboratoriais de amostras do meio aquático e dos peixes mortos, visando a confirmar se a causa é decorrente de lançamentos de efluentes industriais sem tratamento, ou se foi em razão da baixa vazão do rio. De acordo com a bióloga Silvia Regina Gobbo, especialista em ecologia, a alta concentração de matéria orgânica decorrente da escassez hídrica gera a proliferação de micro-organismos e é a principal responsável pela queda de oxigênio dissolvido na água, ocasionando a morte de peixes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.