MP-SP quer apurar superlotação em escolas estaduais

O promotor de Justiça João Paulo Faustitoni e Silva, do Grupo de Atuação Especial de Educação (Geduc), instaurou no último dia 6 um inquérito civil para apurar eventual superlotação nas classes das escolas da rede estadual paulista de ensino.

EQUIPE AE, Agência Estado

26 de outubro de 2011 | 18h47

O inquérito civil foi instaurado após representação feita ao Ministério Público de São Paulo (MP-SP) pelo deputado estadual Rui Falcão, na qual o parlamentar solicitou a apuração da notícia publicada na imprensa dando conta de que mais de 60% das escolas estaduais de ensino básico possuem ao menos uma série com mais alunos em sala de aula do que o limite recomendado pelo próprio governo do Estado.

No inquérito, o promotor solicitou à Procuradoria-Geral de Justiça que mande ofício à Secretaria de Estado da Educação para que o órgão se manifeste sobre os fatos narrados e sobre os documentos presentes na representação, e para que esclareça as medidas em curso para solução do problema.

Mais conteúdo sobre:
educaçãosuperlotaçãoescola

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.