MPF quer manter tombamento provisório

O Ministério Público Federal no Amazonas pediu a suspensão da sentença que anulou, no dia 4 de agosto, o tombamento provisório do Encontro das Águas dos Rios Negro e Solimões. A anulação permite o início das obras do Porto das Lajes, a menos de 3 km do fenômeno. O procurador da República no Amazonas, Athayde Costa, diz que a obra pode acarretar "degradante interferência na paisagem, afetando a leitura do fenômeno".

O Estado de S.Paulo

30 de setembro de 2011 | 03h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.