MPF vai investigar rompimento de barragem no Piauí

O Ministério Público Federal determinou a abertura de um procedimento investigatório para apurar responsabilidades no caso do rompimento da parede da Barragem Algodões I, no município de Cocal, 268 quilômetros ao norte de Teresina. O acidente já deixa quatro vítimas fatais e mais de 600 famílias desabrigadas, conforme boletim divulgado no começo da noite pela Polícia Militar. Cerca de 2,5 mil famílias tinham sido retiradas do local por precaução, e retornaram na última semana por determinação do engenheiro responsável pela obra, Luís Hernane de Carvalho.

LUCIANO COELHO, Agencia Estado

28 de maio de 2009 | 18h33

O procurador da República Kelston Lages informou que o Ministério Público Federal está colhendo informações sobre o caso. O Ministério Público do Estado também avalia se a responsabilidade pelo rompimento da barragem é do engenheiro ou do Estado.

A presidente da Empresa de Gestão de Recursos do Piauí (Emgerpi), Lucile Moura, que autorizou o reparo da barragem, disse que não houve falha no monitoramento das águas. Segundo ela, o planejamento fugiu ao controle devido às chuvas intensas e açudes que romperam no Ceará e desaguaram em Algodões I.

Tudo o que sabemos sobre:
barragemrompimentoPI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.