MPL fará caminhada por mobilidade em Salvador

Os líderes do Movimento Passe Livre (MPL) em Salvador confirmaram nesta quarta-feira que farão uma caminhada nesta quinta-feira, 27, a partir das 14 horas, entre a Praça do Campo Grande e a prefeitura, um trajeto de cerca de 2 quilômetros. A concentração na praça está marcada para começar ao meio-dia.

TIAGO DÉCIMO, Agência Estado

26 de junho de 2013 | 19h05

A intenção dos manifestantes é levar ao prefeito Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM), o ACM Neto, uma pauta de reivindicações sobre a mobilidade urbana na capital da Bahia. A lista foi apresentada nesta quarta-feira e inclui 21 itens, como funcionamento 24 horas do sistema de ônibus, adoção de bilhete único no período de três horas, passe livre para estudantes e a volta do nome do Aeroporto Internacional Deputado Luís Eduardo Magalhães, que homenageia o ex-deputado, tio de ACM Neto, para a designação de "2 de Julho".

Além de pautas locais, o documento também lista uma série de tópicos de interesse nacional que são "repudiados" pelo MPL. Entre eles, estão "a presença do deputado Marcos Feliciano (PSC-SP) na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara", o "Projeto de Lei 7.663/10, que prevê a internação forçada de dependentes químicos" e "a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 215, que transfere a autonomia para decidir sobre demarcação de terras indígenas para o Legislativo".

Além do MPL, o Grupo Gay da Bahia (GGB), mais antiga coluna de defesa dos direitos de homossexuais no País, também anunciou que participará da manifestação, para protestar contra o projeto conhecido como "cura gay". Em nota, o prefeito de Salvador disse estar "disposto" a receber os líderes do movimento nesta quinta-feira. Além disso, anunciou que apresentará nos próximos dias um plano de vias exclusivas para ônibus ligando os bairros da Lapa (no centro) e do Iguatemi (o ponto financeiro da capital baiana), com um orçamento de R$ 1 bilhão.

Tudo o que sabemos sobre:
ProtestosBA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.