MS lidera ocorrência de focos de ferrugem

Oeste do Estado, que faz fronteira com o Paraguai, é a região mais afetada, com sete focos registrados

Ana Conceição, O Estado de S.Paulo

25 de dezembro de 2007 | 23h21

O Mato Grosso do Sul lidera a ocorrência focos de ferrugem asiática nesta safra, com nove ocorrências, segundo informações do Consórcio Antiferrugem, coordenado pela Embrapa Soja. Do total, sete focos estão no oeste do Estado, região mais próxima da fronteira com o Paraguai, onde a incidência do fungo é grande. No total, o País registrou até o momento 13 focos da doença. Há registro ainda de uma ocorrência em Mato Grosso, no município de Lucas do Rio Verde, e outras três no Paraná, em Arapongas, Quedas do Iguaçu e Cascavel.A incidência é bem menor que na mesma época do ano passado, quando 89 focos da doença foram relatados, com destaque para o Paraná (30), Goiás (20), Mato Grosso do Sul (17) e Mato Grosso (16). A redução do número de focos se deve ao atraso no plantio nesta safra, por conta de um prolongado período de estiagem entre agosto e outubro. O vazio sanitário, período sem cultivo de soja, também contribuiu para a diminuição.CONTROLEEm 2006, os primeiros focos apareceram no dia 10 de novembro e totalizaram 2.778 casos até o final da safra. Desde que o consórcio foi instituído para monitorar os focos, no ciclo 2004/2005, os casos da doença aumentaram de forma expressiva. Naquele ano, 450 focos foram identificados; em 2005/2006 o número saltou para 1.359 e dobrou na safra 2006/2007, quando as perdas provocadas pela doença chegaram a 2,67 milhões de toneladas de soja.Na safra passada, os Estados que mais registraram ferrugem foram Bahia (747 focos), Paraná (662), Mato Grosso do Sul (613), Rio Grande do Sul (407) e Maranhão (172).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.