MST diz que 50 pessoas ficaram feridas em confronto com PMs

Hospital registrou quatro feridos; entre eles, um bebê internado com intoxicação após inalar gás lacrimogêneo

TATIANA FÁVARO, Agencia Estado

30 de novembro de 2007 | 19h46

Líderes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em Limeira (151 quilômetros de São Paulo) informaram hoje que cerca de 50 pessoas ficaram feridas durante ação da Polícia Militar (PM), ontem, para a desocupação de três acampamentos do Horto Florestal. Hoje, no 4.º Distrito Policial (DP), a informação era de que apenas uma pessoa havia registrado boletim de ocorrência, alegando ter sido ferida em confronto com a polícia. A Santa Casa da Misericórdia da cidade informou, por meio da assessoria, que quatro pacientes feridos na desocupação foram atendidos ontem - dois deles com pressão alta e um, com ferimento na orelha. Um bebê foi internado com intoxicação após inalar gás lacrimogêneo das bombas atiradas pela Tropa de Choque da PM. A assessoria da Santa Casa informou que a criança foi liberada hoje. Parte dos trabalhadores rurais sem-terra retirados de três acampamentos precisou do dia de hoje todo para retirar o restante dos pertences das terras retomadas pela prefeitura, por meio de determinação judicial. Caminhões da administração municipal levaram os objetos das famílias para um galpão no mesmo bairro.Cerca de 120 famílias retiradas ontem da ocupação estão abrigadas no Centro Diocesano de Pastoral, no bairro do Pinhal. Ontem, caminhões da Secretaria de Obras da prefeitura começaram a limpeza do terreno em que estavam montados os três acampamentos, no Horto Florestal, à margem da Rodovia Anhangüera. Uma parte dos 800 sem-terra que deixaram a ocupação foi para a casa de parentes em Limeira e região, segundo uma das coordenadoras do MST na cidade, Cláudia Praxedes. Na tarde de hoje, a presidente nacional do PSOL, Heloísa Helena, e os deputados Ivan Valente (PSOL-SP) e Raul Marcelo (PSOL-SP) foram ao município para saber sobre as condições dos sem-terra retirados do Acampamento Elizabeth Teixeira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.