MST expulsa ex-integrantes de área da Cutrale em SP

Integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) expulsaram ontem as seis famílias de trabalhadores rurais que moravam na Fazenda Turvinho, da empresa Cutrale, em Iaras, sudoeste paulista. Entre os expulsos, estão assentados e filhos de antigos integrantes do próprio MST. A propriedade de 800 hectares foi invadida no dia 18 por cerca de 600 militantes, como parte do chamado ?abril vermelho?. A fazenda faz parte de uma área maior, de 2,7 mil hectares, cultivados com laranja. Os invasores ocuparam todas as instalações, inclusive a casa-sede. Os empregados da Cutrale que moravam nas casas da fazenda receberam um ultimato para deixar a propriedade. ?Eles fizeram uma reunião lá e decidiram que a gente tinha de sair?, contou o vigilante José Mariano de Oliveira, de 27 anos, ex-militante, que voltou com mulher e a filha de 3 anos para o Acampamento Zumbi dos Palmares, na mesma região. Cerca de 35 tratores, 4 caminhões-pipa e dezenas de máquinas da empresa estão em poder dos invasores. Segundo a líder Claudete Pereira de Souza, da direção estadual do movimento, os sem-terra pretendem lutar ?até o fim? pela posse da área. ?As terras aqui pertencem à União e a empresa usa indevidamente?, disse. A reintegração de posse foi dada em favor da Cutrale, mas o mandado ainda não foi cumprido. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

30 de abril de 2008 | 09h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.