MST mantém ocupação em superintendências do Incra

Integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) permanecem na maioria das 13 superintendências do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), segundo informações da assessoria do movimento. As agências foram ocupadas ontem em protesto contra a diminuição dos recursos destinados ao Programa Nacional de Educação em Áreas da Reforma Agrária (Pronera).

SÃO PAULO, Agencia Estado

09 de junho de 2009 | 12h17

O programa é destinado à alfabetização de jovens e adultos e subsidia cursos técnicos e de nível superior para assentados. Seus recursos foram cortados em 62%, de R$ 69 milhões para R$ 26 milhões, de acordo com o MST.

A desocupação das superintendências do Incra, responsável pela execução do Pronera, dependerá dos resultados da negociação que está sendo realizada hoje, em Brasília, entre representantes do MST e o presidente do instituto, Rolf Hackbart, de acordo com informações da assessoria. Além da recomposição do orçamento do Pronera, as reivindicações incluem a regularização do pagamento de professores e coordenadores e a retomada de parcerias com universidades e escolas para a concessão de novos cursos.

Mais conteúdo sobre:
MSTprotestosIncra

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.