MST ocupa usina em Campos, no RJ

Cerca de duzentas famílias ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) ocuparam na madrugada desta sexta-feira um complexo industrial em Campos dos Goytacazes, no norte fluminense. O lugar abrigava a Usina Cambahyba, onde teriam sido incinerados os corpos de pelo menos 10 militantes políticos durante o regime militar no País.

DANIELA AMORIM, Agência Estado

02 de novembro de 2012 | 16h01

A usina, um complexo de sete fazendas com extensão de 3.500 hectares, pertencia a Heli Ribeiro Gomes, ex-vice governador do Rio, e agora é controlada por herdeiros. O MST argumenta que a propriedade foi considerada improdutiva por decisão do juiz federal Dario Ribeiro Machado Júnior, no último dia 17 de junho. O movimento também afirma que o complexo industrial possui dívidas com a União, além de não pagar indenizações trabalhistas e cometer crimes ambientais.

Esta é a segunda vez que o MST ocupa parte da área da usina. A primeira tentativa foi no ano 2000, mas, seis anos depois, policiais federais e militares, por decisão da Justiça Federal de Campos, cumpriram uma ordem de despejo das 100 famílias que já viviam no acampamento Oziel Alves II.

Segundo os sem terra, o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) considerou as terras improdutivas e passíveis de desapropriação para fins de reforma agrária há 14 anos, mas o processo de desapropriação está paralisado desde então.

A denúncia de que os fornos da usina foram usados para incinerar corpos de militantes políticos durante a ditadura tornou-se pública no livro "Memórias da uma guerra suja", do ex-delegado do Departamento de Ordem Política e Social (Dops), Cláudio Guerra, lançado em maio. À época, o Ministério Público Federal chegou a instaurar uma investigação para apurar a veracidade das declarações de Guerra. O procurador da República Eduardo Santos de Oliveira determinou que fossem expedidos ofícios à Comissão Nacional da Verdade e à Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos, pedindo informações e documentos relacionados ao caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.