Mudança climática ameaça a alimentação humana, diz ONU

A mudança climática põe em risco a comida dosseres humanos e torna ainda mais difícil o desafio de alimentar acrescente população mundial, adverte a Organização das NaçõesUnidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO).Em comunicado divulgado em Roma por ocasião da realização, emNairóbi, da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, aFAO afirmou "que é necessário prestar maior atenção ao impacto damudança climática sobre a agricultura, a silvicultura e a pesca".A agência da ONU também alertou que se deve estudarcuidadosamente as medidas para promover a adaptação à mudança climática e"mitigar seus efeitos". A FAO aponta como uma prioridade "conseguir fortalecer aresistência dos sistemas agrícolas às variações do clima".Assim, a agência proporcionará aos países "instrumentos einformação para transformar suas políticas e práticas agrícolas,pesqueiras e florestais".Essa informação conterá dados meteorológicos aplicados à agricultura, para avaliar oimpacto dos climas extremos, as ferramentas para examinar avulnerabilidade dos cultivos, os mapas de coberturas vegetais, aevolução dos recursos agrícolas e florestais em nível mundial e aorientação sobre o desenvolvimento de meios de subsistência rurais.Mas a FAO considera que sua ajuda e assessoria não se limitam àquestão alimentícia, pois a agência também pode contribuir paramitigar os efeitos da mudança climática em questões como a gestãodas florestas e da energia procedente de fontes biológicas.Sobre esta última, o comunicado lembra que "se prevê um aumentoprogressivo dos combustíveis biológicos durante os próximoscinqüenta anos".A agricultura e a silvicultura proporcionarão as principaisfontes de combustíveis biológicos líquidos e sólidos, como já fazemos cultivos de açúcar, milho e soja usados para produzir etanol ebiodiesel.A FAO ressalta que "embora não exista uma solução única paratodos os países, a bioenergia tem um papel-chave para nos adaptarmose reduzirmos a mudança climática".A agência da ONU afirma que, "com as tecnologias adequadas,transformar biomassas como madeira, resíduos de colheitas, erva,palha e restos de plantas em combustível pode proporcionar uma fonteabundante de energia limpa e barata".

Agencia Estado,

07 de novembro de 2006 | 16h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.