Mudança climática aproxima-se do pior cenário, diz cientista

Os efeitos do aquecimento global nosoceanos já se aproximam do pior cenário imaginado por cientistas doPainel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), o queinclui o aumento do nível do mar, furacões devastadores e adestruição dos corais, segundo relatório apresentado nesta quinta-feira, 9."A tendência atual, comprovada por imagens feitas por satélite,mostra que o nível do mar sobe três centímetros por década, o que seaproxima do pior cenário entre todos os previstos pelo IPCC", disseStefan Rahmstorf, professor de física dos oceanos e membro doConselho Assessor Alemão sobre Clima Global, ligado ao governo daAlemanha.Na apresentação do relatório "Os futuros oceanos" na Convençãosobre Mudança Climática realizada em Nairóbi, capital do Quênia, ofísico alemão destacou que "entre 1900 e 2000, o nível do mar cresceuvinte centímetros, e o IPCC, em seu relatório de 2001, apontou queaté 2100 ele ainda pode ter um aumento de entre 9 e 88 centímetros". Segundo Rahmstorf, o aumento do nível do mar, derivado doderretimento das geleiras, entre outros fatores, é uma dasconseqüências mais graves que a humanidade pode sofrer com asmudanças climáticas. Partes de Nova York, Holanda, Bangladesh emilhares de pequenas ilhas podem ficar submersas. "A atividade humana está desencadeando nos oceanos mudanças semprecedentes em vários milhões de anos" e essas alterações "já podemser medidas", destacou o cientista. A temperatura da superfície do mar está crescendo quase no mesmoritmo em que a do ar e, entre 1974 e 2005, já foi constatada umaredução da quantidade de gelo no Ártico de 20%. "Em meados deste século já poderemos ter um Oceano Ártico semgelo durante o verão", afirmou Rahmstorf. Segundo o relatório, os recifes de corais tropicais, ecossistemasmarinhos de maior biodiversidade, estão seriamente ameaçados pelamudança climática e é possível que a maioria deles seja destruídanos próximos cinqüenta anos. Além disso, a dissolução de dióxido de carbono na água contribuipara que ela se torne mais ácida, o que pode ter "profundos efeitos"nos organismos marinhos. Embora não esteja comprovado que a mudança climática aumenta onúmero de furacões, há evidência que as alterações no climapodem aumentar a força destrutiva desses fenômenos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.