Elizabeth Ruiz/EFE
Elizabeth Ruiz/EFE

Mudanças climáticas provocaram mortes, afirma Calderón

Presidente mexicano abre a Conferência do Clima da ONU chamando atenção para desastres naturais recentes

Afra Balazina ENVIADA ESPECIAL / CANCÚN, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2010 | 00h00

Chuvas intensas provocaram neste ano 60 mortes no México. Na Guatemala, mais de mil pessoas perderam suas vidas por causa de desastres naturais. Houve seca grave na África, inundações no Paquistão e incêndios na Rússia. Esses exemplos foram listados ontem pelo presidente mexicano, Felipe Calderón, na cerimônia de abertura da Conferência do Clima da ONU em Cancún, a COP-16.

Seu objetivo era o de confirmar que as mudanças climáticas já estão em curso e que é imperativo agir o quanto antes para evitar que tragédias piores aconteçam. "Não estamos negociando sozinhos (...), mas em nome de toda a humanidade. O mundo espera uma resposta responsável de nós", afirmou.

Na abertura, os representantes dos países tentavam elevar as expectativas da reunião. Já se sabe que é improvável chegar a um acordo global com valor jurídico que inclua as metas de corte de emissões dos gases-estufa. Porém, eles avaliam que é necessário acordar um pacote de decisões que possam ser colocadas em prática rapidamente.

A ministra dinamarquesa de Mudanças Climáticas, Lyke Fris, afirmou que haverá mais rodadas depois de Cancún para chegar a um acordo completo. Mas ressaltou que há muita coisa em jogo em Cancún e que, se a reunião fracassar, o processo multilateral de negociação da ONU será questionado.

Segundo ela, as expectativas na Conferência do Clima anterior, a COP-15, sediada em Copenhague, na Dinamarca, estavam altas demais, o que não é bom. Mas em Cancún estão baixas demais, o que também não é positivo, alertou.

Os EUA se comprometeram ontem a manter a meta proposta no ano passado - um corte de 17% das emissões em relação ao nível de 2005 até 2020.

QUESTÕES EM JOGO

Protocolo de Kyoto

É preciso definir se o Protocolo de Kyoto, que impôs metas de redução de emissões de gases-estufa para países ricos, vai continuar. O primeiro período de compromisso termina em 2012. As novas metas entrariam em um segundo período. Para os países pobres, é essencial que Kyoto seja mantido. Mas os países desenvolvidos não querem sua permanência sem os EUA, que não ratificou o tratado.

Financiamento

Países ricos devem auxiliar os pobres a reduzir as suas emissões e se adaptar a um mundo com aquecimento global.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.