Mulher culpa pulseira tóxica por ter perdido namorado, casa e emprego

Jo Wollacott, de 40 anos, disse que sofreu alucinações depois de usar artigo comprado no eBay, segundo agência.

BBC Brasil, BBC

19 Abril 2012 | 13h33

Uma britânica disse ter perdido seu namorado, sua casa e seu emprego depois que começou a usar uma pulseira tóxica comprada na internet, segundo uma notícia divulgada pela agência de notícias britânica SWNS.

Jo Wollacott, de 40 anos, disse que começou a sentir sintomas como alucinação e manchas na pele depois que passou a usar a pulseira feita com ervilhas do rosário. Ela diz ter comprado o bracelete por uma libra (cerca de R$ 3) no site eBay.

Algumas pessoas acreditam que a ervilha do rosário tem efeitos medicinais, mas as autoridades de saúde da Grã-Bretanha alertam que a planta possui uma substância tóxica chamada ácido ábrico. Essa toxina é proibida inclusive por uma lei de terrorismo, já que pode ter consequências fatais mesmo em pequenas doses.

Wollacott, que mora na cidade de Bridport, no sudoeste da Inglaterra, chegou a ser hospitalizada, mas nunca recebeu nenhum diagnóstico sobre o que estava acontecendo.

Apesar de não ter nenhum diagnóstico médico, ela atribui à pulseira os problemas de saúde que enfrentou.

"Todos ao meu redor achavam que eu estava perdendo o controle da minha vida", disse ela à SWNS. "Mas agora eu compreendo que meus problemas começaram quando eu comprei a pulseira."

Exagero

O governo britânico baniu as pulseiras de ervilha de rosário em dezembro do ano passado, mas ainda há pessoas comercializando os braceletes.

"Essas pulseiras são vendidas há anos como joias. Se você comer uma ervilha dessas e mastigar, você pode ter problemas como vômito e diarreia", disse à BBC o toxicologista Robert Chilcott.

No entanto, ele acredita que na internet existe um exagero sobre os efeitos nocivos do ácido ábrico. Ele também diz que o número de pessoas que sofrem consequências destas ervilhas de rosário é muito pequeno na Grã-Bretanha. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.