Mulher de Abadía tem vigilância reforçada na prisão

A presa Yessica Paola Rojas Morales, de 28 anos, natural de Cartagena, Colômbia, teve a vigilância reforçada na Penitenciária Feminina de Sant?Ana, no Carandiru, zona norte de São Paulo. Ela é mulher do megatraficante colombiano Juan Carlos Ramirez Abadía, de 47 anos, extraditado em 22 de agosto de 2008 para uma prisão nos Estados Unidos. O temor vai desde um eventual resgate a uma possível retaliação por parte de outras detentas.

AE, Agencia Estado

15 Junho 2009 | 09h49

Yessica e Abadía foram presos em agosto de 2007. Ela passou a correr riscos na prisão porque o marido decidiu colaborar com a Polícia Federal para garantir o benefício da delação premiada e a extradição. A detenta ficou 1 ano e 10 meses no isolamento. Segundo agentes penitenciários, a colombiana também tenta obter no Supremo Tribunal Federal a extradição para os Estados Unidos. Já o advogado dela, Eugênio Carlos Balliano Malavasi, negou essa informação.

A presa ocupa sozinha uma cela de 9 m² no maior presídio feminino da América Latina. Na cela há banheiro com chuveiro de água quente, lavatório, uma cama e uma TV em cores. Em Aldeia da Serra, na Grande São Paulo, Yessica e Abadía moravam numa casa avaliada em R$ 2 milhões. A cela não fica nos pavilhões da unidade, mas no corredor perto da administração e do gabinete da diretoria. Ela cumpre pena longe das outras 2.694 presidiárias. A Justiça Federal a condenou a 11 anos e 6 meses de prisão. Na cadeia, trabalha como arquivista no Centro Integrado de Movimentações e Informações Carcerárias (Cemic). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
Abadíamulher

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.