Mulher diz sentir enjoos há dois anos após morar em barco

Britânica Claire Fallow conta que passou a sofrer de mal incomum após ter vivido por um tempo em um barco.

BBC Brasil, BBC

31 Maio 2012 | 10h30

Uma mulher britânica diz ter uma rara enfermidade que faz com que ela se sinta permanentemente mareada.

Claire Farrow conta que passou a apresentar essa condição após ter vivido em um barco ao lado do marido, Ian Hogarth, e os dois filhos do casal, enquanto esperavam a conclusão da construção da casa para a qual pretendiam se mudar, na região central de Londres.

Mas Claire, de 44 anos, diz que após ter passado poucos dias no barco, atracado na região de Chelsea, no centro de Londres, ela começou a se sentir tonta, a perder o equilíbrio e a sentir ânsia de vômito até cinco vezes por dia.

Segundo a britânica, a sensação que ela costuma ter é tão forte que por vezes é difícil andar pela rua ou trabalhar, devido às náuseas constantes.

Na terra ou no mar

Claire percebeu que sofria desta rara condição após ter deixado o barco em que vivia e ter continuado a sentir-se mareada.

Ela procurou um médico e foi diagnosticada como portadora da doença conhecida como "síndrome do mal de debarquement".

Trata-se de uma rara condição que costuma se manifestar entre algumas pessoas que passaram por um cruzeiro, um voo ou que viveram outra sensação de movimento.

A sensação de enjoo típica de quem passou por uma longa viagem de barco ou por um voo entre os portadores da doença pode prosseguir por muito tempo mesmo após a conclusão da viagem, durando meses ou até anos.

A enfermidade não possui uma cura conhecida e Claire conta ainda sofrer do mal mesmo dois anos após ter deixado o barco.

Ela chegou a passar por uma fase em que vomitava várias vezes ao dia.

Atualmente, o mal estar não é tão forte quanto no passado, a sensação de tontura e náuseas ainda são constantes. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Mais conteúdo sobre:
mareadamulhercondiçãoalso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.