'Mulher matou o marido em legítima defesa', diz advogado

O advogado Mário Oliveira, que defende Alessandra Ramalho D´Ávila, de 35 anos, disse hoje à noite que sua cliente agiu em "legítima defesa" ao matar o marido Renato Biasotto Mano Júnior, de 52, na manhã de sábado, no apartamento do casal, dentro de um luxuoso condomínio da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio, e que ela protegia a sua própria integridade física e também a de seu filho, de cinco anos. "Eles discutiram fortemente por volta das 3h30 e ela passou mal. Quando vomitava no banheiro, ele deu uma gravata nela que a impedia de respirar. Os gritos da briga acordaram a criança, que saiu da cama e pediu para o pai parar com a briga. Quando ele partiu para cima da criança, ela pegou uma faca e o golpeou", contou Oliveira.

TALITA FIGUEIREDO, Agencia Estado

15 de junho de 2009 | 21h28

De acordo com o advogado, ao perceber que ele estava morto, Alessandra foi a uma delegacia, mas não conseguiu registrar a ocorrência porque estava com a criança chorando e havia outras pessoas que seriam atendidas na frente dela. Oliveira informou que a mulher não deve se apresentar enquanto for mantida a prisão temporária pedida pela Polícia Civil. "Não há motivo para a prisão apenas para que ela preste depoimento. A investigação está concluída e ela não nega que o matou em legítima defesa", disse. Até o fim da noite de hoje, o advogado tentava fazer com que o delegado desistisse da prisão, para que ela se apresentasse para prestar depoimento.

Mais conteúdo sobre:
crimeRioassassinato

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.