Mulher pode ter engravidado por falha do Contracep

A Secretaria de Saúde de Ribeirão Preto investiga o caso suspeito de uma mulher de 20 anos que teria engravidado após ser medicada com o anticoncepcional injetável Contracep. Segundo a coordenadora do Programa de Saúde da Mulher do município, Fátima Aparecida de Bonifácio Heck, o caso ainda é apenas suspeito e não se pode afirmar se o medicamento apresentou ineficiência. Fátima disse que, se na investigação for comprovada a ineficiência do medicamento, a jovem poderá procurar a Justiça contra o fabricante, a SEM-Sigma Pharma. Fátima negou que um segundo caso suspeito de gravidez, também por falha do mesmo medicamento, estaria sob investigação na cidade. Ainda não há prazo definido para o fim da apuração.A mulher que engravidou completou 20 anos neste mês, mas não teve o seu nome confirmado pela Secretaria Municipal da Saúde. Ela foi medicada num dos núcleos de abrangência do Centro Saúde-Escola (CSE), do Sumarezinho, mantido pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) e pela prefeitura, com o anticoncepcional injetável em junho e setembro. A gravidez foi confirmada somente na semana passada com um ultra-som. Fátima e também a chefe da Divisão de Farmácia do município, Darlene Mestriner, informaram que vários fatores poderiam interferir na eficácia do remédio, o que será analisado cuidadosamente.No dia 9, três lotes do anticoncepcional injetável Contracep foram interditados no Estado de São Paulo, por suspeita de problemas na dosagem de hormônios em sua fórmula. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) estendeu a proibição cautelar para todo o País em seguida. Apenas um dos lotes interditados inicialmente chegou a Ribeirão Preto, mas não foi distribuído na rede municipal de saúde. Por isso, quatro lotes são investigados. "Não há anticoncepcional 100% seguro, mas o injetável é o que apresenta maior tranqüilidade às mulheres, que não precisam se lembrar do horário de tomar um outro medicamento", diz Fátima.

BRÁS HENRIQUE, Agencia Estado

28 de novembro de 2007 | 19h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.