Mundo Summary

As facções palestinas rivais ainda não conseguiram superar os obstáculos nas conversações para uma reconciliação que elas esperam que resultem em um governado unificado para a Faixa de Gaza e a Cisjordânia, disseram autoridades na sexta-feira. Nas conversações que estão ocorrendo no Cairo, mediadade Gaza e a Cisjordânia, disseram autoridades na sexta-feira.

DIVERGÊNCIAS DE HAMAS E FATAH AINDA SÃO ENTRAVE À RECONCILIAÇÃO, REUTERS

13 de março de 2009 | 11h38

Nas conversações que estão ocorrendo no Cairo, mediadas pelo Egito, o movimento Fatah, do presidente Mahmoud Abbas, vem insistindo que o grupo islâmico rival Hamas precisa "aceitar e executar" os acordos de paz existentes assinados com Israel, mas o Hamas se recusa a assumir tal compromisso.

O Hamas propôs o emprego do termo "respeitar" em lugar de "aceitar e executar", mas isso não satisfaz os Estados Unidos, Israel e o Ocidente, que querem que o grupo islâmico endosse acordos pacíficos com Israel.

Os acordos e compromissos com Israel foram assinados pela Organização de Libertação da Palestina (OLP), atualmente chefiada por Abbas.

O grupo islâmico Hamas, que venceu uma eleição parlamentar três anos atrás, controla a Faixa de Gaza, que tomou numa guerra civil curta e sangrenta em 2007 com a Autoridade Palestina, de Abbas, que domina a Cisjordânia ocupada.

Israel, os EUA e países ocidentais se negam a reconhecer o controle do Hamas sobre a Faixa de Gaza. Israel, que impôs um bloqueio ao território costeiro, exige o fim do governo do Hamas como condição prévia para afrouxar suas restrições.

A disputa entre Fatah e Hamas foi um dos pontos que suscitaram uma intervenção do chefe de inteligência egípcio, Omar Suleiman, que se reuniu com líderes dos dois grupos na quinta-feira para tentar reduzir as diferenças.

Em 2007 o Fatah e o Hamas formaram um governo de unidade que teve vida curta e cuja plataforma previa o "respeito" pelos compromissos fechados anteriormente pela OLP. Mas isso não foi suficiente para levar ao fim do embargo internacional ao território costeiro.

O Hamas, cuja carta fundadora pede a destruição de Israel, já anunciou que pode aceitar a criação de um Estado palestino nas terras capturadas por Israel na guerra de 1967, mas rejeitou a possibilidade de reconhecer Israel formalmente.

Outros obstáculo que, segundo o Hamas, vem "lançando sombra" sobre o trabalho dos cinco comitês formados para tentar chegar a um acordo é a detenção de centenas de partidários do Hamas por serviços de segurança do Fatah na Cisjordânia.

Tudo o que sabemos sobre:
SUMMARY*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.