Municipal do Rio anuncia temporada pós-reformas

Seis óperas e quatro balés são a tônica da programação, que começa em abril

João Luiz Sampaio, O Estadao de S.Paulo

22 Dezembro 2009 | 00h00

A primeira notícia, na coletiva de imprensa dada pela direção do Teatro Municipal do Rio na manhã de segunda, foi a reabertura do palco após um ano e meio de reformas. Em seguida, a temporada. Além do concerto de reabertura em abril, serão seis óperas e quatro balés a partir de maio. Não foi anunciada ainda temporada de concerto sinfônicos da orquestra do teatro, assim como as datas que serão utilizadas pelos demais conjuntos cariocas que utilizam o Municipal, em especial a Petrobrás Sinfônica e a Orquestra Sinfônica Brasileira.

A primeira ópera será Romeu e Julieta, do francês Charles Gounod, no final de maio. Em seguida, Il Trovatore, de Giuseppe Verdi, em setembro. Em uma iniciativa sadia, o Municipal volta a fazer parcerias com outros teatros e, em novembro, exibe O Castelo do Barba-Azul, de Bartok, uma das principais montagens brasileiras dos últimos anos, criada pelo Palácio das Artes de Belo Horizonte e já exibida também em São Paulo. O ano de produções se encerra com outro "operão", Tosca, de Giacomo Puccini, em dezembro. Outros dois títulos serão levados em forma de concerto, em junho, O Guarani, de Carlos Gomes, e Magdalena, musical escrito por Heitor Villa-Lobos para a Broadway, nos anos 50.

O primeiro espetáculo do balé no ano será em maio, com uma noite dedicada ao coreógrafo Roland Petit, com apresentação de três de seus trabalhos: Carmen e L"Arlesienne, com música de Bizet, e Proust, com peças de Beethoven e Debussy. Em julho, apresenta-se a companhia de David Parsons. Com coreografia de Dalal Achcar e música de Ludwig Minkus, Don Quixote será apresentado em outubro; e, em dezembro, encerra o ano O Quebra-Nozes, com música de Tchaikovsky e coreografia de Achcar.

Foram anunciadas também a manutenção dos concertos matinais a R$ 1 e novas séries, como Música e Imagem, que "apresentará espetáculos multimídia, com o aparato da tecnologia mais avançada para projeção de imagens, animações, efeitos e recursos digitais". Também será criado um concurso de canto lírico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.