Muro em frente da UFMG tem pichação racista

BELO HORIZONTE - O muro de um bar que fica em frente à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), em Belo Horizonte, foi pichado com a frase "A UFMG vai ficar preta", num protesto racista à decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), no último dia 26, que julgou ser constitucional o sistema de cotas para afrodescendentes.

Aline Reskalla, Especial para O Estado de S. Paulo,

02 Maio 2012 | 03h05

A UFMG informou, por meio de sua assessoria de comunicação, que repudia "qualquer tipo de manifestação racista". O Conselho Universitário decide hoje se vai abrir investigação.

No entanto, a UFMG esclarece que, desde 2009, adota o sistema de bônus para estudantes provenientes de escolas públicas, que difere do esquema de cotas para negros. O sistema prioriza alunos que estudaram por pelo menos sete anos em escolas públicas. Esses estudantes contam com um adicional automático de 10% na nota do exame de seleção. De acordo com a universidade, se esses alunos se declaram negros ou pardos, têm um acréscimo de mais 5% no bônus.

A justificativa da UFMG para adoção desse sistema é que, independentemente da raça, o que conta no momento da seleção é o preparo a que o estudante teve acesso. E pelos cálculos da universidade, há uma diferença média de 10% entre o desempenho dos estudantes das escolas públicas e os das particulares.

Foi com base nesse modelo de seleção que a atriz indígena Adana Kameba conseguiu sua vaga no curso de Medicina da UFMG, do qual é caloura. Ela veio de Manaus para estudar em Belo Horizonte. Adana é protagonista do filme Xingu, que conta a história da criação do parque nacional de mesmo nome. Adana vive a personagem Kaiulú, que faz par romântico com Cláudio Villas-Boas, interpretado por João Miguel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.