Murray e dores no joelho derrubam Nadal

Campeão do Australian Open em 2009, espanhol perdia do britânico e teve de abandonar

, O Estadao de S.Paulo

26 de janeiro de 2010 | 00h00

A melhor partida do Australian Open até agora terminou de forma triste para Rafael Nadal. Não apenas porque o espanhol foi derrotado por Andy Murray e falhou em defender seu título do ano passado. Mas, principalmente, pelo fato de voltar a sentir as dores no joelho que influenciaram sua queda em Roland Garros e a desistência de Wimbledon em 2008 e deixaram caminho livre para Roger Federer conquistar os dois torneios de Grand Slam e se consagrar maior de todos os tempos.

O jogo entre o número 2 e o 4 do circuito mundial pelas quartas de final do torneio australiano atendeu às melhores expectativas. Os dois protagonizaram um duelo equilibrado, cheio de disputas longas e desfechos brilhantes. E o britânico conseguiu vencer os dois sets iniciais por 6/3 e 7/6 (7/2).

"De minha parte, tudo foi muito bom. Acho que quando todos os grandes momentos apareceram, consegui ditar o ritmo do jogo", disse Murray. Nadal concordou: "Andy foi incrível, jogou muito bem mesmo. Acho difícil que, mesmo em totais condições físicas, pudesse vencê-lo aqui na Austrália."

Na primeira parcial, Murray soube dosar a agressividade e a postura defensiva para conter os ímpetos de um espanhol mais agressivo e consequentemente menos constante do que de costume. Depois, as únicas quebras de serviço que os dois tenistas conseguiram foi em momento que o jogo esfriou. Tiveram de esperar por quase 10 minutos o reinício do confronto enquanto fogos de artifício espocavam por toda a cidade de Melbourne para comemorar o Australian Day (feriado nacional que lembra a chegada dos britânicos ao país em 1788). No tie-break, Nadal errou jogadas vencedoras por milímetros. O britânico se aproveitou.

O espanhol também escorregou e sofreu uma queda no final da segunda parcial. Momento que seria crucial para o duelo e, provavelmente, para a temporada. "Parece a lesão (no joelho direito) do ano passado", contou o espanhol, abatido depois de desistir quando perdia por 3 a 0 no terceiro set. "Não conseguia me agachar, bater as bolas mais baixas. Simplesmente não tinha mais chances de vencer e preferi não insistir. Eu vou até o limite, mas não posso querer ultrapassá-lo", disse Nadal.

A última vez em que o tenista esteve em boa fase foi durante a disputa do torneio australiano de 2009, quando bateu Federer na final. As lesões que minaram sua confiança e o afastaram do circuito agora devem fazer estrago também no seu ranking. Na lista que será divulgada pela Associação dos Tenistas Profissionais, na segunda-feira, pode figurar até no 4º posto. O próprio Murray e o sérvio Novak Djokovic têm chance de ultrapassá-lo.

O britânico tenta manter vivo o sonho de conquistar seu primeiro título de Grand Slam. O próximo rival será Marin Cilic. O croata, 14º do mundo, venceu nas quartas de final outro confronto de cinco sets - seu quarto na competição. Passou por Andy Roddick, por 7/6 (7/4), 6/3, 3/6, 2/6 e 6/3.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.