Divulgação
Divulgação

Museu dos EUA vai mostrar vestígios dos ataques de Onze de Setembro

Objetos coletados desde 2002 nos três locais atingidos serão exibidos de 3 a 11 de setembro em Washington

REUTERS

17 Junho 2011 | 17h51

WASHINGTON - Quando um avião sequestrado chocou-se contra a torre norte do World Trade Center no dia 11 de setembro de 2001, Lisa Lefler deixou a sua pasta para trás enquanto buscava um lugar seguro longe do seu escritório no 103o andar.

 

Cinquenta e seis minutos depois, 175 dos colegas de Lefler, assim como a sua pasta, estavam enterrados entre os escombros.

 

A pasta de Lefler e outros 50 objetos resgatados do ataque que vitimou 3 mil pessoas serão apresentados entre 3 e 11 de setembro no Museu Nacional de História Americana Smithsonian.

"Dez anos depois, nós vamos compartilhar alguns desses objetos em um ambiente pessoal, abrindo oportunidade aos visitantes para conversar com a equipe do museu e para ter um lugar para relembrar e refletir o que significa ser norte-americano hoje", disse Brent D. Glass, diretor do museu, em nota oficial.

 

Coleta desde 2002

 

Visitantes da coleção, que é acumulada pelo museu desde 2002 depois que o Congresso o transformou em repositório oficial, verão fragmentos dos aviões, um mapa da parede do Pentágono, uma porta de caminhão derretida pelo fogo, assim como fotos e documentos.

Os objetos foram coletados nos três lugares em que ocorreram os ataques - o Pentágono, o World Trade Center e um campo no oeste da Pensilvânia. Eles farão parte do acervo permanente do museu para que as gerações futuras possam "compreender os eventos horríveis, as suas razões e as consequências de longo prazo", segundo o museu.

A coleção "September 11: Remembrance and Reflection" (11 de Setembro: Memória e Reflexão) também terá gravação em vídeo e apresentações de diretores de vários memoriais sobre o Onze de Setembro. A coleção pode ser vista em http://americanhistory.si.edu/september11.

Mais conteúdo sobre:
EUA MUSEU ONZESETEMBRO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.