Nº de participantes caiu à metade em apenas cinco anos

O exame do Cremesp para avaliar a qualidade do ensino nos cursos de Medicina do Estado é aplicado desde 2005. Mas foram necessários dois anos para que ele deixasse de ter um caráter experimental e se consolidasse como instrumento avaliativo.

O Estado de S.Paulo

24 de outubro de 2012 | 03h07

No entanto, o fato de o exame não ser obrigatório até 2011 teve reflexo direto nos números de participantes. De 2007 a 2011, a quantidade de recém-formados que se submeteram caiu praticamente à metade (mais informações nesta página).

No ano passado, 46% dos alunos que fizeram a avaliação foram reprovados. Eles não conseguiram, por exemplo, identificar um quadro de meningite em bebês e também não sabiam que uma febre de quase 40°C pode aumentar o risco de infecções graves em crianças.

Agora, com a obrigatoriedade do exame para a obtenção do registro profissional, o quadro mudou e mais de 3,2 mil formandos se inscreveram. / D.L.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.