Na China, Google enfrenta disputa pelo domínio Gmail

O Google, que está lutando por consolidar sua marca mundialmente, enfrenta um obstáculo no segundo maior mercado mundial da web. O dono do endereço Gmail.cn , na China, está se recusando a vender o domínio à gigante norte-americana. Uma fonte judicial informou à Reuters nesta segunda-feira, 26, que o Google está tentando adquirir tal domínio, que é controlado pela ISM Technologies, de Pequim. O Google recentemente começou a oferecer contas de e-mail gratuitas do Gmail na China, a fim de promover sua marca entre os usuários locais. "O Google contatou o Gmail.cn sobre a questão do endereço na web e logotipo, mas não houve progresso até o momento", disse uma fonte judicial em Xangai. A ISM Technologies, que em seu site alega ser o maior serviço de registro de nomes de domínio credenciado junto à CNNIC, a organização do governo chinês que supervisiona o setor de internet, se recusa a vender o domínio, mas até o momento não existem indicações de que o Google pretenda recorrer à Justiça, disse a fonte. Jin Cui, porta-voz do Google na China, não respondeu a repetidas tentativas de contato. Não foram localizados porta-vozes do Gmail.cn, em telefonemas à sede da empresa em Pequim. O Google já está envolvido em um processo judicial, lançado no começo do mês, contra um grupo de poetas poloneses a quem a empresa pretende impedir de usar o endereço Gmail.pl, de acordo com reportagens publicadas na Europa. A empresa também teria supostamente sido derrotada, esta semana, em um esforço para tomar controle completo da marca Gmail na Suíça. Mas o caso do Gmail.cn pode se provar mais complicado, porque as questões de propriedade intelectual na China ocasionalmente tornam-se complexas devido a problemas políticos, acrescentou a fonte, especialmente em casos que envolvam empresas norte-americanas e chinesas. "É diferente do caso polonês. A empresa chinesa é também provedora de acesso à internet e fornecedora de serviços de e-mail, e gmail poderia simplesmente ser uma referência a uma caixa de correspondência de um giga ou coisa assim", disse a fonte.

Agencia Estado,

26 Fevereiro 2007 | 11h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.