Na Dinamarca, Lula defende absolvição de Renan

'Precisamos nos habituar a acatar o resultado das instituições', diz presidente.

Pablo Uchoa, BBC

13 de setembro de 2007 | 07h25

Ao comentar sobre a absolvição do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira, na Dinamarca, que "nós precisamos nos habituar a acatar o resultado das instituições a que nos submetemos"."O Senado levantou o problema, fez o que tinha que fazer e chega o momento em que tinha que terminar. Eu acho que nós precisamos nos habituar a acatar o resultado das instituições a que nos submetemos", disse Lula a jornalistas ao chegar a um seminário de empresários dinamarqueses, em Copenhague."Houve uma votação pelas regras do Senado e o Renan foi absolvido. Se vai haver continuidade do processo na Suprema Corte é outro problema", disse Lula."Para um presidente da República o que interessa é que o Senado volte a funcionar com normalidade porque temos coisas muito importantes a serem votadas, como a CPMF a reforma tributária, coisas de interesse do povo brasileiro", acrescentou o presidente.O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) foi absolvido nesta quarta-feira no plenário do Senado no processo que pedia sua cassação por quebra de decoro. Ao final da votação secreta, Renan recebeu 40 votos favoráveis, 35 pela cassação e 6 abstenções. São necessários 41 votos para cassar o mandato de um senador.Ao abrir o seminário, Lula disse aos empresários que o Brasil não vai "perder a oportunidade de se tornar uma grande economia". Ainda nesta quinta-feira, Lula visita uma exposição do fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado e encontra-se com representantes da comunidade brasileira na Dinamarca. Em seguida, faz visita à LO, principal central sindical do país, antes de seguir para Oslo, na Noruega.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
dinamarcabrasilrenansenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.