Na ONU, Dilma reitera cobrança por reforma do Conselho de Segurança

Na ONU, Dilma reitera cobrança por reforma do Conselho de Segurança

A presidente também fez um apelo pela ampliação do direito a voto de países em desenvolvimento em instituições como o FMI e o Banco Mundial

REUTERS

24 Setembro 2014 | 11h26

A presidente Dilma Rousseff reiterou nesta quarta-feira, em discurso na Assembleia-Geral da ONU, a necessidade de fazer a reforma do Conselho de Segurança da organização, pois ao ser mais representativo será mais eficaz.

Dilma fez ainda um apelo pela ampliação do direito a voto de países em desenvolvimento em instituições como Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Mundial, classificando como "inaceitável" a demora nessa mudança.

Atualmente, o Conselho de Segurança tem cinco membros permanentes: Estados Unidos, França, Grã-Bretanha, Rússia e China, uma composição que em grande parte reflete o equilíbrio de poder global logo após a 2a Guerra Mundial.

O Brasil, e outros países, defendem a reforma do órgão da Organização das Nações Unidas de forma a representar melhor o novo cenário global, incluindo a América do Sul, a África e outros países que crescerem desde o fim da guerra.

Mais conteúdo sobre:
POLITICADILMAONU*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.